terça-feira, junho 30, 2015

Dois projetos de alunos do Valsassina foram distinguidos na Mostra Nacional de Ciência 2015.

Quitina injetável” e “Estudo da presença do polimorfimos de inserção no locus Alu PV92” é o nome dos dois projetos, da autoria de alunos do Valsassina, distinguidos na Mostra Nacional de Ciência que se terminou no passado dia 30 de maio. Estiveram presentes na mostra 100 projetos, os quais eram também concorrentes ao 23º concurso nacional de jovens cientistas e investigadores.


Os alunos André Ramos (11º1A), Margarida Durão (11º1A) e Sara Silva (11º1A) receberam uma Menção Honrosa pelo seu trabalho, que consistiu em extrair quitina da carapaça de crustáceos, alterar a sua molécula e produzir um nanocompósito de nanopartículas de α-quitina em matriz de amido.



As alunas Madalena Carvalho (11º1A) e Rita Pinto (11º1A), desenvolveram um estudo que sobre a presença do polimorfismo de inserção no gene Alu PV92 no cromossoma 16 em alunos do secundário do Colégio Valsassina. Foram selecionadas pelo júri para representar Portugal na Semana Internacional de investigação sobre a vida selvagem, que se irá realizar nos Alpes Suíços, na última semana de junho.

O Concurso Jovens Cientistas e Investigadores é desenvolvido desde 1992 pela Fundação da Juventude. Com o objetivo de promover os ideais da cooperação e do intercâmbio entre jovens cientistas e investigadores e estimular o aparecimento de jovens talentos nas áreas da Ciência, Tecnologia, Investigação e Inovação, este concurso destina-se a todos os estudantes a frequentar, em Portugal, o ensino básico, secundário ou primeiro ano do ensino superior, com idades compreendidas entre os 15 e os 20 anos.

De âmbito nacional, o Concurso pretende incentivar um salutar espírito competitivo nos jovens, através da realização de projetos/trabalhos científicos inovadores, integrados em processos educativos regulares, sendo atribuídos prémios aos alunos e projetos selecionados.

De referir que, na edição de 2015 do concurso Jovens Cientistas e Investigadores foram selecionados, para a Mostra Nacional de Ciência, que se realizou entre 28 e 30 de maio no Museu da Eletricidade, todos os projetos apresentados por alunos do Colégio Valsassina:
  • Bioplástico a partir de leite: do desperdício à industrialização, da autoria de: Mariana Carrasco (11º1A), Mafalda Gomes (11º1A) e Aisha Ahmad (11º1B).
  • Footlys - Aplicação de lisinas na eliminação da bromidrose verificada nos sapatos, da autoria de: Mário Gil (11º1A) Oliveira e Martim Nabais (11º1A).
  • T-Gel - Desenvolvimento de um gel estilizador com propriedades nutritivas para o cabelo. Incorporação do extrato da planta de chá verde como componente ativo na fortificação do cabelo, da autoria de: Artur Fortunato (11º1A) e Ulisses Ferreira (11º1A).
  • Estudo da presença do Polimorfismo de inserção no locus Alu PV92 em alunos do secundário do Colégio Valsassina, da autoria de: Madalena Carvalho (11º1A) e Rita Pinto (11º1A).
  • Quitina injetável, da autoria de: André Ramos (11º1A), Margarida Durão (11º1A) e Sara Silva (11º1A).

Observar e experimentar… in loco. A importância das saídas de campo.


As saídas de campo e as visitas de estudo são consideradas, tanto pela investigação, como pelos Currículos Nacionais do Ensino Básico e do Ensino Secundário, como recursos dotados de inúmeras potencialidades educativas. Por outro lado, diversos estudos sugerem que os jovens, de um modo geral, gostam de Saídas de Campos e de Visitas de Estudo e aprendem através delas.
Hodson (2004) refere que o currículo escolar deve assentar num conjugação de três aspetos importantes, sejam eles, aprender Ciência e Tecnologia, aprender sobre Ciência e Tecnologia e fazer Ciência e Tecnologia. Segundo o próprio, a relevância de uma educação científica e tecnológica consiste em adquirir e desenvolver um conhecimento conceptual científico e tecnológico, que torne familiares os vários tipos de tecnologias existentes na sociedade atual, mediante o desenvolvimento do conhecimento de técnicas e métodos de natureza científica e tecnológica, atendendo à complexidade das relações estabelecidas entre Ciência, Tecnologia e Sociedade. Em coerência com o que foi referido, estas atitudes devem estar associadas a um espírito empreendedor na resolução questões problemáticas (Oliveira, 2008).
Esta perspetiva é corroborada por Cachapuz et al. (2004 in Oliveira, 2008), que tal como Perrenoud (2001 in Oliveira, 2008), que considera como essencial dotar os cidadãos com competência suficiente para resolver situações totalmente inesperadas, sustenta que “a Ciência inova e o saber se renova”, pelo que no seu entender, o desafio que atualmente se coloca constantemente ao sistema de ensino das sociedades modernas reside no facto de ter de se reinventar um novo conjunto de saberes básicos, que designa como sendo “ferramentas, que permitem a mudança de uma aprendizagem dirigida (…), para uma aprendizagem assistida e, desta, para uma aprendizagem autónoma, de acordo com um percurso de responsabilização crescente de cada cidadão pela construção do seu próprio saber (…)”.
A necessidade de satisfazer as exigências de uma sociedade com cada vez maior visibilidade para questões problemáticas, seja a nível científico ou ambiental, tem exigido uma adaptação dos currículos em Ciências. Assim, de um currículo centrado no desenvolvimento do conhecimento conceptual, com uso escasso das atividades práticas, passou-se a dar mais ênfase a um conhecimento em que o desenvolvimento procedimental é determinante e em que a importância das atividades práticas no processo de construção do conhecimento científico assume uma tónica cada vez mais relevante (Oliveira, 2008).
As atividades práticas são atualmente entendidas como um método fundamental no processo de ensino-apredizagem das ciências, traduzidas em distintas e diversificadas ações, realizadas no espaço da sala de aula, laboratório ou exterior à escola, implicando sempre que o aluno seja um sujeito ativo no próprio processo de construção do seu conhecimento (Bonito, 1996).
Por sua vez, não é novidade que os ambientes naturais, entre outros espaços não-formais, favorecem o desenvolvimento de aulas de Ciências, pois permitem uma abordagem interativa, estimulam o diálogo e motivam os alunos para atividades educativas capazes de superar a fragmentação do conhecimento (Seniciato e Cavassan, 2004). Além disso, permitem que os conhecimentos sejam abordados de uma forma interdisciplinar e holística. Neste contexto, as saídas a campo, como atividades práticas, assumem-se como uma estratégia de ensino de ciências que conduz à problematização dos conteúdos.
As atividades de campo permitem o contato direto com o ambiente, possibilitando que o estudante se envolva e interaja em situações reais, confrontando teoria e prática, além de estimular a curiosidade (tal como é destacado pelos alunos na caixa em destaque) e aguçar os sentidos. Deste modo, o aluno sente-se e assume-se protagonista do processo de ensino-aprendizagem, ou seja, é um elemento ativo e não um mero recetor de conhecimento.
De realçar que alguns importantes objetivos relacionados com procedimentos e atitudes no ensino e educação em Ciências só poderão ser cumpridos com atividades realizadas no campo. Alguns elementos tornam insubstituível o seu papel didático (Brusi, 1992 in Bonito et al., 1999):
i) A inserção na esfera natural permite-nos compreender a amplitude, a diversidade e a complexidade do ambiente e a multiplicidade de variáveis que o integram.
ii) O conhecimento regional, no que se refere aos aspetos geológicos, vegetação e fauna, entre outros, é muito difícil de abordar com um método ativo se não for mediante o contacto direto com o meio.
iii) A própria vivência é o melhor marco de referência para consciencializarmo-nos da passagem do tempo, que marca ritmos e intervalos na sucessão dos fenómenos.
iv) As atividades fora da sala de aula poderão transmitir mais vivacidade e uma atitude ávida em relação ao meio natural.

O campo torna-se assim o contexto de aprendizagem onde o conflito entre o real (o mundo), o exterior e o interior, as ideias e as representações, ocorre em toda a sua intensidade. A maioria dos conceitos pode analisar-se a partir das atividades no campo, pois elas produzem uma síntese tripla, real dos conteúdos programáticos, na sua dimensão de conceitos, procedimentos e atitudes.

Referências bibliográficas
Bonito, J. (1996). Na procura da definição do conceito de «actividades práticas». Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, vol. extra, 8-12.
Bonito, J.; Macedo, C.; Soares Pinto, J. M. (1999). Metodologia das actividades práticas de campo no ensino das geociências na formação inicial de professores: uma experiência em Pinhel. Comunicação oral apresentada no vii encontro nacional de educação em ciências, realizado em Novembro de 1999 na Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Educação em Ciências. Actas do VII Encontro Nacional. Faro: Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve, pp. 144-178.
Oliveira, T. (2008). As visitas de estudo e o ensino e a aprendizagem das ciências físico-químicas : um estudo sobre concepções e práticas de professores e alunos. Tese de Mestrado em Educação, área de Especialização em Supervisão Pedagógica em Ensino da Física e Química. Universidade do Minho. Instituto de Educação e Psicologia
Hodson, D. (2004). Time for Action: Science Education for Responsible Citizenship. 20 Anniversary Public Lecture, The University of Hong Kong. Disponível online em http://www.hku.hk/education/research/lecture/DerekHodson.pdf.
Seniciato, T.; Cavassan, O. (2004). O. Aulas e campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências - um estudo com alunos do ensino fundamental. Revista Ciência & Educação, v.10, n.1, p. 133 -147, 2004

 Andreia Luz, Marina Martins, João Gomes. Professores de Ciências Naturais do 3º ciclo.







Na nossa opinião as saídas de campo são em muitos aspetos benéficas.
Umas das vantagens de introduzir um tema com uma saída de campo é que a nossa motivação para o compreender aumenta. Para o sucesso escolar, os alunos devem manter-se interessados na matéria e motivados para saber mais. Todos sabemos que uma aula fora do normal desperta, com certeza, os alunos e o interesse que estes podem ter pelo tema.
Outra das vantagens de uma saída de campo é podermos observar diretamente da natureza o que aprenderemos nas aulas seguintes, ficando assim com uma melhor noção da realidade. Assim, quando estivermos a aprender a matéria na aula perceberemos melhor do que trata.
Por fim, pensamos que o facto de podermos observar com os nossos próprios olhos, dá-nos a possibilidade de criar a nossa própria opinião quanto ao tema explorado, enquanto que na aula apenas nos baseamos no manual e na opinião do nosso professor.
Concluímos, portanto, que as saídas de campo melhoram o nosso desempenho e interesse pela disciplina.
Catarina Silva Nunes, Filipa Tojal Silva e Laura Mota. 8º A

As saídas de campo são determinantes para a aprendizagem dos alunos pois podemos testemunhar aquilo que estudamos nas aulas. Os nossos sentidos ficam mais atentos por estarmos no local. A parte prática começa a completar-se com a teórica e o nosso interesse pela matéria aumenta. Além de contribuir para ficarmos atentos e curiosos, leva-nos a perceber melhor a matéria.
Leonor Neto, Afonso Carvalho e António Gonçalves. 8º A


Entrevista com cientista David Marçal

Doutorado em Bioquímica pela Universidade Nova de Lisboa, em 2008. Fez investigação científica em contexto industrial e académico. Desde 2003 que é autor do Inimigo Público, um suplemento satírico do jornal Público, tendo escrito centenas de textos de humor sobre temas científicos. Desde 2009 que é coordenador dos Cientistas de Pé, um grupo de 'stand-up comedy' com cientistas. É autor de vários espectáculos de teatro sobre temas científicos, alguns deles inicialmente criados para o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra. Escreveu programas de televisão sobre ciência e é autor do livro "Darwin aos tiros e outras histórias" (Gradiva, 2011). Em 2010 venceu o Prémio Químicos Jovens, promovido pela Sociedade Portuguesa de Química e pela Gradiva e o Prémio Ideias Verdes, promovido pela Fundação Luso e pelo Jornal Expresso. No dia 22 de abril esteve no Valsassina para apresentar uma conferência sobre Pseudociência. Aproveitamos para conhecer um pouco mais sobre este autor.

Quando é que decidiu que queria dedicar-se à Ciência e mais concretamente à Bioquímica?
Se a Bioquímica veio mais tarde, a Ciência começou a interessar-me desde muito jovem, ainda mais jovem do que vocês. Um dos primeiros momentos em que me terei interessado pela Ciência terá sido quando recebi uma caixa de experiências de Química, num Natal. Devia ter uns dez ou onze anos. Fiz as experiências todas. Adorava! Tinha, por exemplo alguns reagentes, e o meu preferido era o sulfato de cobre, porque era azul. Eu achava que, por ser dessa cor, seria mais poderoso. Cheguei a inventar experiências. Injetei sulfato de cobre numa laranja para ver o que acontecia. Acabei por descobrir que nada. Verifiquei que a laranja estava só a apodrecer, que não havia qualquer outro efeito. E descobri que a Ciência tinha um certo poder. Conseguia misturar coisas que não cheiravam a nada e depois de misturadas produziam um cheiro desagradável. Mais tarde resolvi estudar Ciência, porque sempre achei interessante ver a Natureza de uma forma estruturada. De certo modo, ter estudado Ciência mudou a minha visão do mundo. Por exemplo, ao estudar Física, e quando me virava de um lado para o outro, imaginava vetores na minha cabeça. E essa compreensão da realidade fascinava-me. E ainda me fascina. A Química surgiu mais tarde e depois fiz um doutoramento em Bioquímica. No fundo, a Bioquímica é uma parte da Química. As leis da Química são as mesmas dentro e fora das células. A diferença principal é que nas células as coisas acontecem em meios muito mais moderados, em termos de temperatura e de pH, e há catalisadores espetaculares, que são as enzimas.

Como é que conseguiu a sua Bolsa, que lhe permitiu estudar a comunicação científica?
Foi um concurso da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Neste caso, era um concurso só para doutorados, pelo que foi só após o doutoramento. Na altura era possível, hoje em dia seria muito complicado.

Não foi a única Bolsa que obteve.
Não, também recebi uma Bolsa de doutoramento.

E como funciona a carreira de um cientista?
O primeiro passo é fazer um doutoramento. Isso faz-se, normalmente, com uma bolsa de investigação, quer seja em Portugal, quer seja no estrangeiro. Hoje em dia, as bolsas portuguesas para estudos no estrangeiro estão muito limitadas, pelo que a melhor opção será conseguir bolsas nos outros países nos quais se vai fazer o doutoramento. Esse é o primeiro passo. No doutoramento, aprendemos a fazer investigação científica de uma forma independente. Temos um orientador e um revisor, mas procuramos ganhar alguma autonomia na investigação. E esse é o primeiro passo da carreira de um cientista. Depois de um doutoramento, segue-se um pós-doutoramento e outras coisas contratuais. Alguns podem ser professores universitários. A carreira de um cientista é semelhante à carreira de um jogador de futebol. É altamente competitiva, temos de estar dispostos a ir para o sítio certo no momento certo da nossa carreira. Imaginem que o Cristiano Ronaldo nunca tinha saído do Andorinha. Nunca teria desenvolvido as suas capacidades até ao expoente que hoje atingiu. Portanto, a carreira de um cientista é extremamente competitiva, exige mobilidade e é exigente.

E como é que surgiu a ideia de criar nm grupo de stand-up comedy?
A ideia surgiu no contexto da minha atividade no Inimigo Público. Desde 2003 que escrevia piadas sobre Ciência no jornal. E acabei por chegar à conclusão de que era uma boa maneira de divulgar a Ciência, de fazê-la chegar às pessoas. E achei que o stand-up comedy era uma boa maneira de o fazer. Conseguia duas coisas: juntar cientistas, que são como que os protagonistas da Ciência, com os quais as pessoas gostam de falar (é como com os jogadores de futebol: não dizem nada de jeito, mas as pessoas gostam de os ouvir), e fazer humor. Tudo isto teve como objetivo promover e divulgar a Ciência, aproximar os cientistas do público, das pessoas.

No fundo, tornar a Ciência mais acessível...
Certo. Olhar os cientistas de uma forma mais humana. Quando vemos os cientistas em cima de um palco a contar piadas sobre a Ciência, vemo-los de uma forma muito mais humana. Desfazemos ligeiramente o estereótipo do cientista do cinema. Despenteado, maluco e de bata branca, desejando dominar o mundo. Construindo o Frankenstein (risos). No fundo, promovemos a Ciência e tornamo-la mais acessível a todos os membros da nossa sociedade, que assim terão mais conhecimentos e uma maior capacidade de tomar decisões.

Não acha que, de certo modo, a Ciência é limitativa por ser tão ampla? Isto é, tem tantas áreas que é impossível sabermos tudo, mesmo que estejamos a falar de algo muito específico. O que o move nos seus projetos científicos para chegar a uma conclusão?
A curiosidade. É verdade, a Ciência é muito ampla, daí que não exista ninguém que domine todos os seus campos. Mas o mesmo também poderá ser dito acerca da Arte ou da Literatura. Já viram a quantidade de Literatura que há para conhecer? E não é isso que coíbe as pessoas de ingressarem nessa área. Eu acho que, no caso das Ciências, vamos fazendo escolhas, escolhendo aquilo que mais nos interessa. É verdade que existe especialização. Mas também existem áreas de convergência. Muitas vezes, uma conclusão resulta do trabalho levado a cabo em várias áreas específicas e diferentes entre si. Por exemplo, num projeto que desenvolvi, no qual estudei proteínas, tive de utilizar RX. Este é o exemplo da união entre a Física e a Bioquímica. É muitas vezes nas áreas de fronteira que existe espaço para a novidade. É difícil uma pessoa albergar conhecimento científico de todas as áreas. Há que fazer escolhas.

Que conselho daria a um jovem cientista?
Dir-lhe-ia que estudasse, que tirasse um curso na área em que gostasse de fazer investigação. Que tivesse muito atenção quanto às escolhas, embora não exista nenhuma que seja irreversível. É importante escolher uma área que lhe interesse e que o motive muito. Perceber qual é o melhor sítio para desenvolver a investigação, sabendo que esta é uma atividade exigente. Portanto, convém escolher uma área que quer mesmo estudar, uma área que lhe interesse bastante. Isto porque a atividade científica pode ser frequentemente frustrante, os resultados podem tardar em aparecer. No fundo, procuramos um conhecimento que ainda não temos, pelo que não sabemos o que vai suceder. Em síntese, importa definir bem a área em que se vai ingressar, alimentar essa paixão não só pelo tipo de conhecimento, mas também pelas técnicas desenvolvidas. Sem isto, dificilmente se manterão a persistência e a motivação que são fulcrais na investigação científica.

Hoje arrepende-se de alguma das escolhas que fez?
Não, não me arrependo das escolhas que fiz. Podia ter feito escolhas diferentes, se fosse fazê-las agora. Mas na altura eram escolhas que faziam sentido para mim. Há coisas que faria de modo diferente. Mas não me arrependo. Não há universos alternativos e não temos a capacidade de voltar atrás no tempo. Não há escolhas irreversíveis. Por exemplo, há pessoas que fazem o doutoramento numa área e depois fazem o pós-doutoramento noutra muito diferente. Acabam por dominar duas áreas que até podem acabar por convergir.

Se descrevesse as qualidades de um Cientista em três palavras, quais seriam?
Três palavras? Curiosidade. Persistência. Transparência. Uma das marcas da Ciência é a transparência. Dizemos o que fazemos, como fazemos, como chegamos a determinados resultados, para que os outros também possam lá chegar.

Considera que tem essas características?
Claro que sim! (Risos) Sem dúvida!

Sem essa transparência não há ciência?
Julgo que não. A transparência é fundamental na Ciência. Para que refutemos um determinado resultado, precisamos de saber como é que o mesmo foi obtido. Chegar a uma conclusão sem explicar como é que esta foi obtida não é Ciência. É uma caixa negra. A Ciência não se baseia em caixas negras.

Nós somos alunos do Secundário, estudamos Biologia e Geologia e já estamos a decidir o que vamos fazer no futuro. Antes mesmo de ter a nossa idade já gostava de Ciência. Qual terá sido o fator determinante para ter a certeza de que escolheria esta área? O que é que o motivou?
Eu acho que a principal decisão ocorreu entre o 9º e o 10º ano. Tive de escolher entre as Ciências duras e outras áreas mais próximas das Letras, para as quais também tinha vocação e interesse. Acabei por ir para uma área chamada Quimicotecnia. Hoje escrevo livros, o que é uma forma de me aproximar dessa outra área. Eu acho que o que me motivou e me fez ir para Ciências foi o facto de sentir que a Ciência é um grande desafio. Isto não quer dizer que a área da Literatura e das Línguas não seja também um grande desafio. Mas na altura foi nisso que pensei. Teria a oportunidade de descobrir coisas que não descobriria sozinho se não estudasse Química. Claro que depois tudo isto é o resultado de um conjunto de escolhas parciais. Primeiro escolhi estudar Química, depois estive indeciso entre estudar Física ou Química, que eram as disciplinas que mais me interessavam. Portanto, julgo que a motivação foi mesmo o desafio, o sentir que podia descobrir coisas que nunca descobriria se não tivesse estudado Ciências. E aprender estas coisas dá-nos acesso a um certo poder, o poder de saber o que vai acontecer, quando e onde. Por exemplo, saber onde e a que horas vai passar um cometa é fascinante. Pelo menos para mim. (Risos)

Tem alguma fonte de inspiração, algum ídolo que o tenha impulsionado a seguir o caminho que escolheu?
Na altura, foram essencialmente os livros. Li, por exemplo, da coleção de Ciência Aberta da Gradiva, na qual acabei por publicar anos mais tarde, o livro Um pouco mais de azul, do astrofísico Hubert Reeves. Achei fascinante saber como são feitos os nossos átomos nas estrelas, através da Fusão Nuclear. Quando os hidrogénios se juntam e o hélio se forma, o qual basicamente não serve para nada. E depois quatro átomos de hélio juntam-se e formam o carbono, que é muito importante, pois tudo na nossa vida é feito tendo por base a química do carbono. Perceber de que somos feitos, do que é que tudo é feito. Nós somos poeira de estrelas porque os átomos vêm das estrelas.

Como é que se descreveria enquanto aluno do Secundário?
Eu não sei se quero responder a essa pergunta (risos, muitos). Mas posso responder. Era um aluno irreverente. Não era o melhor aluno, mas era um bom aluno. Tinha vários interesses para lá da escola. Por exemplo, no 12º ano tinha apenas três disciplinas. Espetacular! Atualmente, o sistema oferece muito mais para aprender. E era espetacular principalmente por termos um dia totalmente sem aulas. Foi nesse ano que comecei a escrever numa revista, a Fórum Estudante. Escrevi até bastante. Comecei durante um estágio de verão e depois continuei e escrevia sempre que tinha tempo. Tinha muitos interesses, não me dedicava exclusivamente à escola. Claro que o meu percurso escolar também se ressentiu, mas acho que valeu a pena.

Então a escrita sempre esteve presente ao longo da sua vida?
Sim, desde muito cedo. Aliás, aconteceu uma coisa incrível na escola. Foi a escola que me incentivou, apesar de em casa também ler muito. Mas nunca escrevi. Comecei a interessar-me por escrever quando, no 10º ano, na aula de Português, li umas crónicas do Miguel Esteves Cardoso, e achei piada àquilo. Aquilo, na altura, tinha piada. (Risos) Porque era muito inesperado, muito irreverente, ele era e é um autêntico malabarista com as palavras. E eu nunca tinha visto nada escrito assim. Brincar com as palavras, com o ritmo da música. Também queria fazer aquilo! E comecei a tentar. E depois, por meio de uma série de acontecimentos improváveis, comecei a ser pago para escrever. Comecei a escrever para a Fórum Estudante e, portanto, a escrita sempre esteve presente de alguma forma. Mais tarde acabei por escrever no Inimigo Público. Durante muito tempo, estudava Ciências e escrevia, mas não propriamente sobre Ciência. Só depois é que houve uma convergência entre as duas áreas, já que eram coisas de que eu gostava muito. Mas isso foi só depois do doutoramento.

Considera que a sua vida pessoal foi uma base importante tanto para a sua vida académica como para a sua vida laboral?
Sim, sem dúvida. A minha família sempre valorizou bastante a educação nas suas várias vertentes. Não só na componente escolar, mas também dando-me acesso aos livros e à cultura. Portanto, foi fundamental. A parte laboral também tem muito a ver com a minha formação e consegui singrar neta por ter tido acesso à educação e à cultura. Tive essa sorte. A educação é importantíssima e vale a pena investirmos nela, não só para termos um melhor emprego, mas também para termos mais facilidade em arranjar emprego. Dá-se sempre prioridade às pessoas com um percurso educativo mais rico. Digo isto, embora me pareça que a questão da educação não é importante apenas para a empregabilidade, mas também para a formação pessoal e para nos sentirmos bem com a nossa evolução pessoal. Mesmo que não tenhamos de trabalhar, seremos sempre mais felizes se tivermos acesso à educação.

Manteve contacto com algum colega do Secundário?
Sim, com vários. Os amigos do Secundário foram fundamentais para mim. Conservo ainda alguns desses amigos.

Sente que eles o ajudaram nas escolhas que fez?
Influenciaram-me, sim. Nós também somos influenciados pelos amigos, pelas escolhas dos amigos, pelas opções das pessoas que consideramos importantes. Tenho um grande amigo que fez o doutoramento comigo, no mesmo Instituto, e que foi também meu colega no Secundário. Fizemos a mesma licenciatura, na mesma universidade. Atualmente, ele vive na Austrália. Mas também tenho outros amigos, que fizeram cursos em áreas um pouco mais distantes da minha, com os quais mantenho contacto frequente. Os amigos que fiz nestas idades continuam a ser pessoas fundamentais na minha vida.

E foi fácil manter esse contacto?
Com a maior parte das pessoas, não. Quando é muito difícil não dá para manter (Risos). Também depende da intensidade da relação. Quer dizer, os meus grandes amigos, aqueles dois ou três, com esses mantenho contacto, haja o que houver. Um deles vive na Austrália e ainda mantemos um contacto muito próximo. Mas já estão preocupados com isso?

Um bocadinho (muitos risos).

Vão arranjar novos amigos, manterão o contacto com os antigos. Isto é, a vossa vida vai ficar mais rica.

Teve algum professor no Secundário que o tenha marcado e com o qual ainda mantenha contacto?
Sim, tenho. Mantenho contacto com a minha escola secundária. Vou lá muitas vezes, tal como venho aqui. As professoras estão todas muito orgulhosas do aluno que escreve livros e sou convidado regularmente e vou lá com muito gosto. Sim, mantenho contacto com professores que tive nessa altura.

Sente nostalgia quando vai à sua escola?
Já não. Quando vou à minha antiga escola, sinto-me bem. A escola melhorou bastante em muitos aspetos. Tem uma biblioteca melhor, as instalações estão melhor conservadas, estão em melhor estado. Portanto, gosto bastante de ir lá. Agora, nostalgia já não sinto. Eu não gostava de ser aluno da escola secundária neste momento, convenhamos.

Mas sente nostalgia em relação às memórias que guarda desses tempos?
Sim, sem dúvida. A adolescência é uma fase de vida ou morte, muito rica em experiências, vivida com uma certa intensidade. É um período rico mas cansativo, o qual vale a pena viver. Talvez a nostalgia que sinta seja dessas relações, dessas amizades.

A faculdade é assim tão horrível quanto se diz? Dizem que somos mais um no meio da multidão. É que nós aqui somos como uma aldeia, em que todos se conhecem e já somos como que uma grande família, incluindo os professores.
Depende muitos das faculdades. A ideia de aldeia é facilmente associada ao Secundário. Temos uma turma, damo-nos sempre com as mesmas pessoas. Mas na faculdade também é possível criar ligações bastante significativas. Mesmo no meio da multidão, podes escolher a tua aldeia. Há muitas atividades na faculdade. Recomendo-vos a não irem para a Tuna, aquilo é estúpido... Estou a brincar, até pode ser interessante. (Risos) Na minha faculdade, havia várias atividades e núcleos temáticos. Havia até quem praticasse desportos de aventura. Pessoas que iam escalar, andar de bicicleta. Havia quem gostasse de se vestir de morcego... Digo-vos só para não se deixarem intimidar pelas praxes. As praxes são uma parvoíce, não se deixem enganar. A verdadeira socialização não tem nada a ver com esse ritual primitivo pateta. Se não concordarem, não se deixem levar. Ninguém tem como obrigar-vos a participar naquilo. As leis do país continuam a ser aplicadas ali. Se eles cometerem crimes, façam queixa à polícia.

Considera que os jovens cientistas têm mais facilidade em adquirir os dados, pelo facto de terem meios mais evoluídos do que anteriormente?
Nos últimos vinte anos houve um grande progresso científico em Portugal. E a diferença entre fazer um doutoramento agora e fazê-lo há vinte anos é abissal. Portanto, neste momento existe um sistema científico e tecnológico em Portugal. Existe alguma massa crítica, existem investigadores profissionais que não são tantos como a média da União Europeia, mas estamos a aproximar-nos dela. Existem infraestruturas muito melhor equipadas, existindo por isso muito melhores condições agora para fazer investigação científica do que havia nos anos 90. Portanto, houve um grande progresso a esse nível. Têm-se verificado avanços e recuos, mas de um modo geral a situação tem vindo a progredir. E hoje em dia há uma infraestrutura científica, tanto em termos de unidades científicas como em termos de recursos humanos. A Ciência em Portugal estava limitada a um conjunto elitista de pessoas. Era pequena, fechada, andava de costas voltadas para o país. Agora, com a democratização da educação, a Ciência abriu-se ao público, às pessoas.





Maria Inês Gama, Beatriz Gaspar, Miguel Monteiro. 10º1A

T-Gel. Desenvolvimento de um gel estilizador com propriedades nutritivas para o cabelo.

Neste projeto procurou-se explorar o facto de certos cosméticos para o cabelo ficarem em contacto com o cabelo e couro cabeludo durante várias horas depois da sua aplicação. Este tempo de contacto garante a eficácia do produto porque certos químicos precisam de estar no cabelo a reagir para manter o seu efeito (polímeros com efeito estilizador neste caso).
Colocou-se a hipótese de se poder criar um gel com função estilizadora mas também nutritivo e enriquecedor para a saúde do cabelo e couro cabeludo, com constituintes que tirassem partido do longo tempo de contacto já mencionado.
Em laboratório, desenvolveu-se uma fórmula base de um gel com propriedades estilizadoras e procuraram-se produtos benéficos ao cabelo para juntar à fórmula. O Gel desenvolvido contém onze elementos e uma ordem definida para a mistura dos reagentes. Merecem destaque os seguintes constituintes: Poliquaternium-10, Pantenol, Ceramidas A2 e Extrato de chá verde. Deste modo, consideramos que a aplicação do extrato no couro cabeludo permitirá a atuação de flavonóides anti-oxidantes e epicatequinas inibidoras da enzima 5-alphareductase, enzima esta responsável pela maior parte dos casos de queda de cabelo. Além disso, possui também um efeito anti-gravidade. O Gel produzido foi submetido a análises químicas e microbiológicas. Como tal, o trabalho desenvolvido permitiu-nos possível chegar a uma fórmula base funcional para o gel, em que este respeitasse tanto os critérios legais como os definidos para considerar o gel como benéfico para o cabelo.

Artur Fortunato e Ulisses Ferreira 11º1A

Agradecemos todo o apoio e disponibilidade da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

FOOTLYS. APLICAÇÃO DE LISINAS NA ELIMINAÇÃO DA BROMIDROSE VERIFICADA NOS SAPATOS

A bromidrose verificada nos sapatos tem como principal origem o suor que, de uma forma geral, é inodoro. No entanto, a bactéria Staphylococcus epidermidis, naturalmente presente na flora da pele, transforma a leucina, substância naturalmente presente no suor, em ácido isovalérico, que provoca o odor. Esta bactéria vê nos sapatos um ambiente propício ao seu desenvolvimento.
Os bacteriófagos, sendo vírus capazes de infetar bactérias, possuem um ciclo lítico, no qual são expressos endolisinas. Estudos recentes comprovaram que algumas desses endolisinas possuem uma capacidade bacteriolítica imediata e elevada. Existem também estudos que comprovam que há endolisinas específicos que têm a capacidade de lisar a bactéria Staphylococcus epidermidis.
O propósito deste trabalho é estudar a aplicação de lisinas na inibição a atividade do Staphylococcus epidermidis no sentido de criar uma solução biológica inovadora que consiga resolver o problema da bromidrose, e que não deverá ter efeitos adversos nem para o ambiente nem para o utilizador.
Para o desenvolvimento do projeto foi possível contar com a colaboração da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, através do Centro de Química e Bioquímica.
O trabalho experimental divide-se em três etapas: i) expressão e produção de endolisinas; ii) estudar a atividade lítica do endolisina; iii) aplicação do endolisina em spray.
Os resultados obtidos levam-nos a afirmar que a LysA apresenta uma maior eficácia na purificação, o que justifica a sua seleção no produto a desenvolver.
Considera-se que o produto desenvolvido é inovador e diferenciador, em relação aos existentes no mercado para a eliminação da bromidose. Pretende-se dar continuidade a este trabalho, quer estudando outras aplicações do mesmo produto, quer através da análise da proposta de valor e de um eventual modelo de negócio que poderá ser desenvolvido.



Mário Gil Oliveira e Martim Nabais. 11º1A

Agradecemos todo o apoio e disponibilidade do Centro de Química e Bioquímica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Bioplástico a partir de leite: do desperdício à industrialização


Agradecemos todo o apoio e disponibilidade do Biochemical Engineering Group da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa.

Estudo da presença do polimorfismo de inserção no gene Alu PV92 no cromossoma 16 em alunos do secundário do Colégio Valsassina


Agradecemos todo o apoio e disponibilidade do Instituto de Medicina Molecular.

quarta-feira, junho 18, 2014

Microbial fuel cell

Microbial fuel cell
Produção e estudo da eficiência de uma Microbial fuel cell no tratamento de águas residuais
Carolina Fonseca1, Diogo Oliveira1, Pedro Leal1, Andreia Luz2
1 Aluno do 12º ano do Curso de Ciências e Tecnologias. 2 Professor de Biologia.

Departamento de Biologia. Colégio Valsassina


Agregado polimérico de celulose

Agregado polimérico de celulose
Produção de um agregado polimérico de celulose e sua aplicação no fabrico de copos isoladores térmicos “six-pack rings” (anéis de transporte)
Ana Catarina Pauleta1, Maria Cetra1, Mariana Monteiro1, Andreia Luz2

1Alunas do 12.º ano Curso de Ciências de Tecnologias 2Professora de Biologia. Departamento de Biologia. Colégio Valsassina




Electric Footprint

Electric Footprint
Mariana Almeida1, Marta Zambujal1, Rita Vaz1, João Gomes2
1Aluna do 10º ano do Curso de Ciências e Tecnologias. 2Professor de Biologia.

Departamento de Biologia. Colégio Valsassina




Saliva de Cannis lupus familiaris: o antibacteriano do futuro?

Saliva de Cannis lupus familiaris: o antibacteriano do futuro?
Mariana Carrasco1, Mafalda Gomes1, Aisha Ahmad1, João Gomes2

1Aluna do 10º ano do Curso de Ciências e Tecnologias. 2Professor de Biologia. Departamento de Biologia. Colégio Valsassina


Alunos do Valsassina premiados na VIII Mostra Nacional de Ciência e 22º Concurso Nacional de Jovens Cientistas e Investigadores


A VIII Mostra Nacional de Ciência decorreu no Museu da Eletricidade, de 29 a 31 de maio. Estiveram presentes 100 projetos após uma primeira fase de candidaturas, onde foram submetidos mais de 150 trabalhos.

Os alunos apresentaram os trabalhos de investigação e foram avaliados por uma júri de especialistas em várias áreas. Este atribuiu o Prémio Especial Energia aos alunos do 12º1A, Carolina Fonseca, Diogo de Oliveira; Pedro Leal, pelo trabalho “Microbial fuel cell: Produção e estudo da eficiência de uma Microbial fuel cell no tratamento de águas residuais”.


O aluno João Brito, do 10º1A, recebeu uma Menção Honrosa pelo trabalho “Audição em Humanos”, desenvolvido durante o ano letivo no âmbito do projeto Sciencecalifragilistic na Fundação Champalimaud – Programa de Neurociências.

Projetos do Colégio Valsassina presentes na Mostra Nacional de Ciência 2014

Área Cientifica: Biologia
Título: Bioensaio mais Rápido, Rentável e Ecológico para a Avaliação do Nível de Toxicidade das Águas: Bioluminescência
Autor(es): Henrique Maria Cardoso de Avelar Menezes; Diogo Filipe Pereira Fontes Fernandes Silva; Vasco de Sá Nunes Correia Diogo. 12º1A

Área Cientifica: Biologia
Título: Estudo das propriedades antimicrobianas da hortelã-pimenta (Mentha piperita) e do coentro (Coriandrum sativum L.) sobre Escheria coli, Pseudomona aeruginosa e Bacillus subtilis tendo em vista a produção de uma pomada antibacteriana natural
Autor(es): Catarina de Oliveira Soares; Patrícia B. Figueiredo Cravo do Nascimento. 12º1A

Área Cientifica: Biologia
Título: Saliva de Canis lupus familiaris: o antibacteriano do futuro?
Autor(es): Aisha Ismail Ahmad; Mafalda Viegas Dias Gomes; Mariana Sacramento Espada Venâncio Carrasco. 10º1ª e 10º1B

Área Cientifica: Engenharia
Título: Electric Footprint
Autor(es): Mariana Gaspar de Almeida; Marta Filipa Velosa da Silva Zambujal de Oliveira; Rita Calhau Martins Vaz. 10º1A

Área Cientifica: Engenharia
Título: Microbial fuel cell: Produção e estudo da eficiência de uma Microbial fuel cell no
tratamento de águas residuais
Autor(es): Diogo Monteiro Pinto Caldas de Oliveira; Pedro Neto Afonso Dickson Leal; Carolina Madeira Fonseca. 12º1A

Área Cientifica: Física
Título: Audição em Humanos
Autor(es): João António Loureiro Dias de Brito. 10º1A


Área Cientifica: Química
Título: Agregado polimérico de celulose: Produção de um agregado polimérico de celulose e sua aplicação no fabrico de copos isoladores térmicos six-pack rings" (anéis de transporte)"
Autor(es): Ana Catarina Moreira Pauleta; Maria Leonor da costa Pereira e Cetra; Mariana Isabel Pereira Monteiro. 12º1A

Sete projetos de alunos do Valsassina selecionados para a Mostra Nacional de Ciência

O Concurso para Jovens Cientistas e Investigadores 2014 pretende promover os ideais da cooperação e do intercâmbio entre jovens cientistas e investigadores e estimular o aparecimento de jovens talentos nas áreas da Ciência, Tecnologia, Investigação e Inovação. Após uma primeira fase de apresentação de candidaturas, foram selecionados 100 projetos (envolvendo mais de 300 jovens estudantes e 81 professores, representando 50 escolas de todo o país) para a Mostra Nacional de Ciência, que decorreu no Museu da Eletricidade de 29 a 31 de maio.

Todos os projetos submetidos por alunos do Colégio Valsassina foram selecionados para esta Mostra.

domingo, maio 11, 2014

Medalha de bronze para Pedro Leal do Valsassina na Final nacional das Olimpíadas da Biotecnologia 2014

Boa prestação dos três alunos do Colégio Valsassina apurados para a Final nacional das Olimpíadas da Biotecnologia 2014: Pedro Leal (12º1A) ficou em 3º lugar, Carolina Fonseca (12º1A) em 8º e Gonçalo Pereira (12º1A) em 11º.

Da esquerda para a direita: Gonçalo Pereira, Carolina Fonseca, Pedro Leal.

A final decorreu no passado dia 9 de maio na Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa.
Na final participaram 52 alunos, de cerca de 20 escolas. Estas Olimpíadas envolveram, desde a 1ª eliminatória, mais de 800 alunos  e 40 escolas.


quinta-feira, maio 08, 2014

Três alunos do Valsassina apurados para a Final Nacional das Olimpíadas da Biotecnologia 2013/14

Três alunos do Valsassina foram apurados para a Final Nacional das Olimpíadas da Biotecnologia 2013/14. Carolina Fonseca, Gonçalo Pereira e Pedro Leal são alunos do 12º1A do Curso de Ciências e Tecnologias.
A final está agendada para o dia 9 de maio na Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto.

Jovens Cientistas e Investigadores do Valsassina representam Portugal na maior feira de ciência do mundo - Intel, Los Angeles. 11 a 16 Maio 2014

A Fundação da Juventude vai levar cinco jovens portugueses à Intel ISEF – Feira Internacional de Ciência e Engenharia 2014, que decorre de 11 a 16 de maio, em Los Angeles, Califórnia (Estados Unidos da América). Os jovens desenvolveram os projetos “Creme de Bacteriófagos: Medida preventiva de Propagação e Contágio de Doenças causadas por Bactérias”  que alcançou  o terceiro lugar, no 21º Concurso Nacional para Jovens Cientistas e Investigadores 2013, ganhando a oportunidade de participar em certames internacionais.
A participação nacional neste certame conta com os apoios da Fundação Luso-Americana (FLAD), da Direção Geral da Educação, da Fundação EDP e da Ciência Viva.
A Intel ISEF é a maior competição mundial a nível do ensino secundário, na qual participam mais de 1600 estudantes de mais de 70 países, regiões e territórios e cujos prémios ascendem a mais de 4 milhões de dólares.
O Intel ISEF junta jovens cientistas de topo, mostrando os seus talentos a nível mundial e vendo os seus projetos avaliados por cientistas conceituados.

Creme de Bacteriófagos: Medida preventiva de Propagação e Contágio de Doenças causadas por Bactérias” – na área da Biologia – é da autoria de Ana Rita Monteiro e Beatriz Quiaios, do Colégio Valsassina, em Lisboa. Este projeto consiste na criação de um creme concentrado em bacteriófagos que destrói as bactérias mais abundantes nas mãos de modo a diminuir a probabilidade de ser infetado por bactérias nocivas e prevenindo a contração de infeções bacterianas.